Resultados da Pesquisa para conhecer qual a opinião dos infectados sobre como o governo deveria negociar o preço dos novos medicamentos para tratamento da hepatite C

167

Voltar

Utilizando o sistema de pesquisa SurveyMonkey na base de assinantes da página WWW.HEPATO.COM do Grupo Otimismo e, também, compartilhando pela rede social Facebook entre os dias 15/07/2014 e 24/07/2014 (oito dias) objetivamos conhecer a opinião dos infectados com hepatite C sobre a aceitação, ou não, do preço que os fabricantes dos novos medicamentos estão querendo cobrar do sistema público de saúde.

Foram realizadas duas perguntas com a opção de concordar ou discordar. Também, para validar as respostas os participantes poderiam colocar em texto seu posicionamento e sugestões.

 

RESULTADOS:QUESTÃO 1

Ao perguntar “Você acha que o governo deve aceitar o preço pedido pelos fabricantes para inicialmente tratar somente os casos mais graves (tratamento compassivo), continuando os outros infectados por tempo indeterminado a receber tratamento com interferon peguilado e ribavirina (telaprevir ou boceprevir)?, obtivemos 506 respostas, sendo que 85,97% não concordam com aceitar o preço pedido pelos fabricantes e privilegiar somente o grupo dos casos mais graves.

http://www.hepato.com/antigo/images/Grafico_Pergunta_1.gif

 

Opções de resposta: Número de respostas: Percentual:
SIM – Deve aceitar 71 14,03%
NÂO – Não deve aceitar 436 85,97%

 

QUESTÃO 2

Ao perguntar “Ou você acha que o governo deve negociar firmemente para conseguir um preço menor e dessa forma disponibilizar os novos medicamentos para todos os infectados? Lembrando que com está opção os medicamentos poderão atrasar 4, 5 ou 6 meses em chegar?“, obtivemos 545 respostas, sendo que 92,48% acreditam ser essa a melhor estratégia do governo, aceitando a possível demora na incorporação no SUS.

http://www.hepato.com/antigo/images/Grafico_Pergunta_2.gif

CONCLUSÕES

1 – Fica evidente o posicionamento favorável dos infectados quanto ao governo negociar firmemente uma redução dos preços para ser possível atender o maior número de pacientes.

2 – Interessante saber que os próprios infectados acham que um preço exorbitante pode inviabilizar a sustentabilidade do sistema.

3 – A titulo de curiosidade: Se o preço do medicamento nos Estados Unidos de 84 mil dólares fosse aplicado no Brasil, para tratar os estimados 2 milhões de infectados crônicos seriam necessários 400 bilhões de reais. Sendo que o orçamento anual do ministério da saúde para tratar todas as doenças é de aproximadamente 100 bilhões de reais.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com 


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.


Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.


Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM


O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA – ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO

Compartilhar