Tratamento da Hepatite C em Pacientes Co-infectados HCV/HIV Hepato Pernambuco 2017 – (Dr. Marcelo Ferreira)

574

Voltar

Estes pacientes deixaram de ser população especial?

Em 2006 das pessoas vivendo com HIV/AIDS em tratamento antirretroviral, 30% morriam de AIDS, 14% pela hepatite C, 9% por doença cardiovascular e 8% por diversos tipos de câncer não associados a AIDS. A hepatite C é a principal causa de morte nas pessoas com HIV.

Ainda não se conhece quantas pessoas com HIV estão infectadas com hepatite C no Brasil e na maioria dos países. Diversos pequenos estudos de prevalência no Brasil encontraram entre 4,1% e 82,4% de co-infectados, mas tais números não podem ser extrapolados ao total da população com HIV.

Os co-infectados HIV/HCV apresentam uma progressão de doença acelerada e, também, maior morbidade e mortalidade.

Comparados com HCV mono-infectados os co-infectados apresentam:

– Menor probabilidade de eliminação espontânea da hepatite C.

– Maior carga viral (maior infectividade, maior risco de transmissão vertical e sexual)

– Fibrose hepática acelerada, cirrose, descompensação, câncer de fígado e mortalidade relacionada à doença hepática.

O Protocolo brasileiro garante tratamento a todos os co-infectados, sem necessidade da biopsia, todos recebem o tratamento, com qualquer fibrose, devido a progressão mais acelerada da fibrose e da cirrose nesse grupo de pacientes que devem ser tratados imediatamente.

O tratamento da hepatite C nos co-infectados utilizando Sofosbuvir/ Daclatasvir com cirrose avançada, cura 92% dos infectados (94% com ribavirina e 92% sem ribavirina), com efeitos adversos raros, tratamento bem tolerado, e pouca interação com a medicação para tratamento da AIDS.

Dependendo do tratamento indicado e dos medicamentos antirretrovirais em uso algumas adequações de doses poderão ser necessárias.

No tratamento com sofosbuvir /daclatasvir a dose deverá ser ajustada de acordo com o antirretroviral em uso:

– Dolutegravir ou raltegravir – usar daclatasvir 60mg

– Efavirenz – usar daclatasvir 90 mg ou substituir efavirenz por dolutegravir

– Atazanavir / ritonavir – usar daclatasvir 30 mg ou substituir atazanavir/ ritonavir por dolutegravir

– Darunavir / ritonavir – usar daclatasvir 60 mg

– Lopinavir / ritonavir – usar daclatasvir 60 mg

– Tenofovir, abacavir e lamivudina – usar daclatasvir 60 mg

-Zidovudina – usar daclatasvir 60 mg.

– Zidovudina está contraindicado para uso com ribavirina

– Maraviroque – usar daclatasvir 60 mg

– Tipranavir é contraindicado para uso com sofosbuvir

– Nevirapina e etravirina não são recomendados com daclatasvir

Sempre revisar todas as medicações em uso e avaliar possíveis interações.

CONCLUSÕES: PACIENTES HCV/HIV

– Todos os pacientes co-infectados HCV/HIV devem ser tratados, independentemente da fibrose ou genótipo.

– Possibilidade de cura da hepatite C semelhante a pacientes mono-infectados.

– Há opções de ARVs com poucas interações com os DAAs (Lopinavir ou Raltegravir/Dolutegravir).

– Perfil de segurança: favorável em todos os subgrupos.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte:
Apresentação no Hepato Pernambuco 2017 do Dr. Marcelo Ferreira.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com 


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.


Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.


Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM


O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA – ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO

Compartilhar