O tratamento da hepatite C pode reativar a hepatite B

873

Voltar

Se isso acontecer pode causar sérios problemas hepáticos, incluindo insuficiência hepática e morte. 

O tratamento da hepatite C com os medicamentos orais livres de interferon pode representar um risco para reativação do vírus da hepatite B em pacientes co-infectados (HCV / HBV) que se encontram em tratamento da hepatite B. O alerta consta das Bulas e no Brasil a ANVISA já fez um alerta sobre o fato.

Foi publicada uma revisão sistemática e meta-análise, onde os autores pesquisaram em PubMed, Ovid MEDLINE, o Registro Cochrane Central de Ensaios Controlados e Web of Science de 1 de outubro de 2010 até 30 de setembro de 2017, para identificar estudos de pacientes com hepatite B crônica ou já com a infecção resolvida na linha de base e que foram tratados para hepatite C com os medicamentos de ação direta (orais, livres de interferon).

Dos 17 estudos analisados envolvendo 1.621 pacientes, 242 estavam com hepatite B crônica e 1.379 já tinham resolvido a hepatite B. Todos foram tratados com diversos medicamentos de ação direta para hepatite C.

Já em pacientes co-infectados com hepatite B e hepatite C, em tratamento da hepatite B, a reativação da hepatite B aconteceu em 9% dos pacientes que apresentavam carga viral (HBV-DNA) positiva e nos pacientes em tratamento da hepatite B com carga viral indetectável a reativação da hepatite B foi rara de acontecer.  Os autores encontraram que é rara a possibilidade de reativação da hepatite B em infectados com a infecção resolvida, durante o tratamento da hepatite C.

Foram relatados três eventos clínicos principais relacionados à reativação do da hepatite B em pacientes com infecção crônica, um paciente apresentou descompensação hepática e dois tiveram insuficiência hepática, um dos quais necessitou de transplante hepático.

Concluem os autores que a reativação da hepatite B acontece frequentemente em co-infectados com hepatite B e hepatite C que recebem tratamento para hepatite B com os medicamentos de ação direta, mas é rara de acontecer entre os infectados com a hepatite B resolvida.

Este artigo foi redigido com comentários e interpretação pessoal de seu autor, tomando como base a seguinte fonte: Hepatitis B virus reactivation during direct-acting antiviral therapy for hepatitis C: a systematic review and meta-analysis – Marcus M Mücke, MD, Lisa I Backus, MD, Victoria T Mücke, MD, Nicola Coppola, MD, Carmen M Preda, MD, Ming-Lun Yeh, MD, Lydia S Y Tang, MBChB, Pamela S Belperio, PharmD, Eleanor M Wilson, MD, Prof Ming-Lung Yu, MD, Prof Stefan Zeuzem, MD, Prof Eva Herrmann, PhD, Johannes Vermehren, MD – The Lancet Gastroenterology & Hepatology – Published: 19 January 2018 – 10.1016/S2468-1253(18)30002-5

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com

IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.

Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.

Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte:
WWW.HEPATO.COM

O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA – ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO

Compartilhar