Estudo: quanto mais café você bebe mais você vive

340

Voltar

Um grande estudo britânico publicado no prestigioso jornal científico “JAMA Internal Medicine” sugere que beber café pode aumentar a expectativa de vida.

Este grande estudo de coorte prospectivo de meio milhão de pessoas encontrou associações inversas para o consumo de café com a mortalidade, incluindo entre os participantes que bebiam de 1 a 8 ou mais xícaras por dia, fornecendo mais evidências de que o consumo de café pode fazer parte de uma dieta saudável e oferece segurança aos consumidores de café.

O estudo usou um conjunto de dados chamado “UK Biobank” e incluiu 486.477 indivíduos. No início, eles foram questionados sobre seus hábitos de consumo de café e foram seguidos por uma média de 7 anos, entre os anos de 2006 e 2016. Em comparação com os não-bebedores, os bebedores de café tiveram um risco menor de morte.

O benefício do café era bem parecido seja com café instantâneo, café moído ou café descafeinado, suspeitando que não é a cafeína, e sim outros compostos no café que lhe dão esse grande efeito.

Os autores confirmaram estudos prévios que mostraram uma associação inversa entre o consumo de café e a mortalidade durante o período do estudo e encontraram associações semelhantes em participantes com variantes genéticas que transmitem um metabolismo mais rápido e mais lento da cafeína.

A cafeína é uma droga que tem efeitos biológicos significativos e mensuráveis, outros compostos no café, se fazem alguma coisa benéfica, têm efeitos sutis, difíceis de medir.

Concluíram os autores que o consumo de café foi inversamente associado à mortalidade, incluindo aqueles que bebem 8 ou mais xícaras por dia e aqueles com polimorfismos genéticos que indicam um metabolismo mais lento ou mais rápido da cafeína. Esses achados sugerem a importância não somente da cafeína na associação entre a mortalidade fornecendo mais garantias de que o consumo de café pode ser parte de uma dieta saudável.

Fonte: Association of Coffee Drinking With Mortality by Genetic Variation in Caffeine Metabolism Findings From the UK Biobank – Erikka Loftfield, PhD; Marilyn C. Cornelis, PhD; Neil Caporaso, MD; Kai Yu, PhD; Rashmi Sinha, PhD; Neal Freedman, PhD – JAMA Intern Med. Published online July 2, 2018. doi:10.1001/jamainternmed.2018.2425

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com

IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.

Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.

Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação médica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM

O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA – ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO

Compartilhar