Diabetes aumenta o risco de progressão da gordura no fígado

64

Voltar

Os médicos que tratam pacientes com diabetes não devem somente verificar olhos, rins, obesidade e riscos cardíacos. Não devem negligenciar o fígado, nem esquecer de considerar a possibilidade esteatose (gordura no fígado).

Pesquisadores descobriram que pacientes diabéticos com gordura no fígado quando comparados com a população sem diabetes, apresentavam uma possibilidade de desenvolver cirrose 4,73 vezes maior e, para desenvolver câncer de fígado uma probabilidade 3,51 de vezes maior que a população em geral.

A pesquisa também encontrou que os médicos da atenção primária estão sub diagnosticando a gordura no fígado (esteatose), e subestimando a gravidade da doença quando eles fazem o diagnóstico. Alguns pacientes com gordura no fígado já apresentam fibrose avançada ou cirrose no diagnóstico inicial, relataram  os médicos da Universidade Queen Mary de Londres.

Para o estudo de coorte correspondente, os pesquisadores examinaram os registros de saúde da atenção primária de 18.782.281 adultos no Reino Unido, Holanda, Espanha e Itália. Foram acompanhados 136.703 pacientes com diagnóstico de esteatose (gordura no fígado alcoólica e não alcoólica) desde antes de 1º de janeiro de 2016 por uma média de 3,3 anos para diagnósticos subsequentes de cirrose e câncer de fígado.

Os pesquisadores ficaram surpresos já que o número de pacientes com diagnósticos registrados de esteatose hepática não alcoólica foi muito menor do que o esperado, o que significa que muitos pacientes não são diagnosticados na atenção primária.

MEU COMENTÁRIO

A importância desta pesquisa é que usa um conjunto de dados do mundo real, fornece evidências de cenários comunitários sobre a gordura no fígado como importante causa de doença hepática crônica.

Fonte: Risks and clinical predictors of cirrhosis and hepatocellular carcinoma diagnoses in adults with diagnosed NAFLD: real-world study of 18 million patients in four European cohorts – Alexander M, Loomis AK, van der Lei J, Duarte-Salles T, Prieto-Alhambra D, Ansell D, Pasqua A, Lapi F, Rijnbeek P, Mosseveld M, Waterworth DM, Kendrick S, Sattar N, Alazawi W – BMC Med. 2019 May 20;17(1):95. doi: 10.1186/s12916-019-1321-x.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com

IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.

Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.

Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação médica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte:
WWW.HEPATO.COM

O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA – ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO

Compartilhar