Regeneração do fígado– AASLD 2019

237

Voltar

As propriedades regenerativas do fígado o tornam único entre os órgãos. Pesquisas contínuas sobre como o fígado repara e regenera oferecem esperança de desvendar aplicações clínicas para tratar alguns dos estados de doença mais desafiadores.

No “The Liver Meeting® 2019” acontecido em Boston teve uma importante apresentação no “Simpósio de Ciência Básica”, onde foram discutidos os novos conhecimentos e ferramentas disponíveis para estudar a regeneração e a reparação do fígado, além de ajudar a identificar novas abordagens terapêuticas para resgatar e restaurar a função hepática.

O fígado é conhecido por muitas coisas, mas uma das principais coisas é sua poderosa capacidade de regenerar e reparar após uma lesão”, disse o Dr. Xiao-Ming Yin. “Isso é muito fundamental para o fígado, tanto do ponto de vista da biologia básica quanto do ponto de vista clínico”.

A primeira sessão abordou o tópico da regeneração hepática em geral, onde foi falado sobre as vias dos receptores tirosina quinase na regeneração das células do fígado.

A seguir foi discutida a trans-diferenciação nas células hepatócitos-biliares, onde os palestrantes detalharam as pesquisas sobre o fenômeno de como os hepatócitos e os colangiócitos às vezes mudam de papel quando o fígado é prejudicado por uma doença crônica.

Na parte da tarde as apresentações mostraram um olhar sobre o misterioso papel das células progenitoras hepáticas no reparo hepático com quatro oradores revisando as pesquisas mais recentes, incluindo tópicos sobre senescência e autofagia.

Há um argumento de longo prazo sobre como o fígado obtém uma capacidade tão poderosa de regeneração, como isso acontece? Muitas pessoas acreditam que os próprios hepatócitos podem ser células-tronco e sua capacidade de células-tronco será ativada durante uma lesão, mas também há evidências de que outros tipos de células também podem ter algum tipo de capacidade de progenitor ou célula-tronco, o que lhes permite se tornarem hepatócitos ou colangiócitos.

Finalmente foram dadas informações sobre a estrutura de bioengenharia que reúne todos os tópicos anteriores para abordar o problema da escassez de órgãos doadores.

MEU COMENTÁRIO

Os médicos podem duvidar que os temas apresentados tenham aplicação imediata nos pacientes, mas para os cientistas básicos esse é um tópico muito quente por ter várias implicações clínicas.

É assim que avança a medicina!

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com

IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.

Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.

Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação médica.
Acesso livre: Este artigo é distribuído sob os termos da Licença Internacional Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 4.0 ( 
http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/ ), que permite qualquer uso, distribuição e reprodução não comercial em qualquer meio, desde que você dê o crédito apropriado ao (s) autor (es) original (is) e cite à fonte WWW.HEPATO.COM  e indique se foram feitas alterações.

O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA – ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO

Compartilhar