Mensagem de final do ano nas hepatites

639

Voltar

Estamos chegando ao final de 2019. No Brasil um ano com muito para comemorar em relação ao enfrentamento das hepatites, mas lamentavelmente com bastante apreensão, vejamos o porquê da minha preocupação.

No primeiro semestre, resultado da gestão anterior vivenciamos falta de medicamentos, faltou entecavir para hepatite B e na hepatite C o pregão para aquisição dos medicamentos que aconteceu em janeiro somente teve os contratos assinados nem maio e a chegada dos medicamentos aconteceu na metade do ano, resultando em fila de espera agoniante para os infectados.

Foi fundamental o esforço realizado pelo Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis para atender milhares de infectados que estavam aguardando os medicamentos e já no segundo trimestre o fornecimento dos medicamentos estava solucionado.

Na hepatite C estamos completando o ano de 2019 com a promessa de realizar o tratamento de 50.000 infectados praticamente cumprida, digo praticamente por que desde metade de setembro nada mais foi publicado pelo Departamento sobre a distribuição para os estados, um silencio que não encontra justificativa já que a atual gestão está comprometida com a transparência.

Na hepatite B a distribuição do entecavir foi normalizada no segundo trimestre, mas lamentavelmente ainda não conseguimos que Anvisa aprovasse o registro do TAF (Tenofovir Alafenamide) para substituir o atual tenofovir. O TAF (Tenofovir Alafenamide) não provoca problemas ósseos e pode ser utilizado por infectados com problemas renais.

UM FINAL DE 2019 COM FALTA DE MEDICAMENTOS PARA HEPATITE C

Em setembro, ao comemorar que Brasil iria cumprir a meta de 50.000 tratamentos de hepatite C em 2019, alertávamos da necessidade de se realizar um novo pregão de compra já que era evidente que até o final do ano o estoque de medicamentos estaria zerado ou perto disso. Foi marcado o pregão de compra para novembro, passou para dezembro e fechamos o ano sem efetuar qualquer compra.

Não fomos ouvidos e 2020 vai ter um primeiro trimestre complicado. Por mais que seja efetuada a compra em janeiro, até assinar os contratos e realizar a importação passam facilmente uns três ou quatro meses.

A falta de medicamentos para hepatite C neste final do ano não é mera suposição, foi confirmada pela abertura de uma ação civil pública do Ministério Público Federal instaurada agora em dezembro, na qual, com pedido de liminar, contra a União e o estado de Minas Gerais quer garantir o abastecimento adequado de medicamentos para os pacientes de toda a região do Triângulo Mineiro que tratam de hepatite C, confirmando que realmente existe falta de medicamentos para hepatite C.

Despedindo 2019, que posso considerar um ano bom, mas fechando com a triste notícia da falta de medicamentos, agradeço a todos o apoio na caminhada que realizamos juntos.

Em nome do Grupo Otimismo desejo a todos um 2020 em família, com muita paz e saúde. Vamos continuar juntos, lutando para encontrar os infectados e que todos recebam o tratamento.

Carlos Varaldo

Presidente do Grupo Otimismo de Apoio ao Portador de Hepatite

 

Compartilhar