GRUPO OTIMISMO DE APOIO AO PORTADOR DE HEPATITE
ONG - Registro n°.: 176.655 - RCPJ-RJ - CNPJ: 06.294.240/0001-22 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 9973.6832
e-mail: hepato@hepato.com Internet: www.hepato.com



Publicado no Editorial do Jornal do Brasil em 16/12/2002


HEPATITE C - ASSASSINO SILENCIOSO?


(*) Carlos Varaldo

São tantos os contaminados que a maioria dos governos censura as informações

Um novo vírus, o da hepatite C, descoberto dez anos após o vírus da Aids, contaminou entre 170 e 200 milhões de pessoas no mundo. Estes dados, da Organização Mundial da Saúde, mostram o impressionante tamanho da epidemia de hepatite C, cinco vezes maior que o da Aids. O número de contaminados é tão alarmante que a maioria dos governos prefere censurar qualquer informação, devido aos altos custos que seriam necessários no tratamento dos portadores. Médicos da OMS denunciam que muitos países preferem não detectar os portadores, para não ter que gastar dinheiro com o tratamento.

No Brasil, o Ministério da Saúde admite que 2,6% da população podem estar contaminados, mas a OMS estima que o número verdadeiro poderia ser maior, podendo chegar a oito milhões de brasileiros. Curiosamente, nestes 13 anos de conhecimento da doença, nenhum alerta à população ou sequer à classe médica foi feito pelo ministério.

O modelo estratégico da avestruz, ignorando o problema, não vai evitar a perda da saúde nestes infectados. Se nada for feito de imediato, mais de um milhão de brasileiros poderão desenvolver cirrose ou câncer no fígado nos próximos 15 anos. O custo social, com perda da capacidade de trabalho, aposentadorias, tratamento da cirrose e prováveis transplantes de fígado, será com certeza infinitamente superior ao que seria gasto com detecção e tratamento dos infectados. Hoje, dos milhões de prováveis infectados, cerca de sete mil estão em tratamento, número pífio, sendo que 97% dos infectados ainda não foram detectados. Continuando com o atual esquema governamental de detecção e tratamento, precisaríamos mais de 600 anos para tratar os atuais contaminados.

É necessário acordar para o problema, pois uma vez detectados os portadores, com os tratamentos disponíveis atualmente, pelo menos 600 mil vidas seriam salvas de evoluir para a falência hepática, conseqüentemente a morte. É urgente montar campanhas de esclarecimento e principalmente de detecção, equipar laboratórios e hospitais e treinar profissionais de saúde. Desde fevereiro existe um Programa Nacional de Hepatites, mas sem dotação orçamentária própria para enfrentar o desafio.

Recentemente, em reportagem no GLOBO, o coordenador do programa de hepatites virais reconheceu publicamente, pela primeira vez, a gravidade da epidemia, concordando com todas as recomendações e alertas das ONGs que defendem os portadores de hepatite C. Provavelmente é uma resposta ao anúncio estrelado por Cissa Guimarães, que desde setembro o Grupo Otimismo veicula de forma institucional em vários canais de televisão - o primeiro anúncio do mundo realizado por uma ONG para divulgar a hepatite C.

Curiosamente, são raros os novos contaminados, pois a maioria das formas de transmissão já está controlada, o que faz com que as ações a serem tomadas imediatamente não sejam de prevenção, e sim de detecção e tratamento. A hepatite C é transmitida pelo sangue; não há comprovação de contaminação por fluidos corporais, como saliva, suor, lágrimas, sêmen ou leite materno (a mãe contaminada pode amamentar). Abraços, beijos ou compartilhar pratos, copos, talheres ou roupas não contaminam. A contaminação sexual é possível, porém muito rara. Entre as maiores fontes de contaminação do passado temos as transfusões sanguíneas, possibilidade hoje descartada pelos testes de sangue nos hemocentros. O compartilhamento de seringas e agulhas de injeção também é coisa do passado. Aquela velha pistola de vacinação, que passava de braço em braço, com a mesma agulha, também teve seu uso descontinuado. Atualmente, os fatores de risco continuam sendo o uso de drogas, injetáveis ou aspiradas, que representam dois terços das novas infecções, e acidentes com instrumentos perfuro-cortantes, inclusive com instrumentos de manicura. O portador de hepatite C leva uma vida totalmente normal, pois a doença não apresenta riscos de contaminação na vida social, na família, ou no trabalho.

A hepatite C é totalmente diferente dos tipos A ou B nas suas formas de contaminação. Pode ser comparada a uma bomba viral preste a explodir. São necessários recursos para enfrentar o desafio, caso contrário, nos próximos 15 anos, haverá um verdadeiro genocídio, culpa da cegueira e surdez de quem deveria tomar imediatas providências. A hepatite C pode ser um assassino silencioso, mas os governantes não podem ser surdos a ponto de ignorar o problema.

(*) - CARLOS VARALDO é presidente do Grupo Otimismo de Apoio a Portadores de Hepatite C.





Last updated 30.10.2006