015_otimismo_port

Hepatite C: uma bomba relógio na saúde dos brasileiros

30/07/2014

Em comemoração ao Dia Mundial da hepatite vários jornais, entre eles o Correio Brasilense e o Estado de Minas publicaram em destaque de quase meia página minha "Opinião" alertando sobre o grave problema da hepatite C no Brasil. Segue o texto:

Hepatite C: uma bomba relógio na saúde dos brasileiros

Carlos Norberto Varaldo*

Descoberta em 1989, a Hepatite C mata, hoje, em alguns países, mais do que a AIDS, segundo pesquisa publicada no periódico médico Annals of Internal Medicine, em 2012. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), estima-se que sejam afetadas 170 milhões de pessoas no mundo. Segundo a OMS, no Brasil a doença infecta cinco vezes mais brasileiros do que o vírus HIV e a doença pode atingir 3 milhões de pessoas no país, sendo a maioria ainda desconhecida.

Isto porque, no Brasil, ainda temos uma baixa taxa de diagnóstico em função do preconceito reinante em nossa sociedade em relação à doença que ficou popularmente conhecida por ser transmitida principalmente pelo contágio via seringas contaminadas. Uma realidade distante, mas que até hoje estigmatiza milhares de pessoas, especialmente a geração infectada entre as décadas de 70 e 80, época em que o controle de materiais usados nos consultórios odontológicos, estúdios de tatuagem e piercing, ou mesmo em manicures, era muito precário se comparado aos padrões atuais.

Além disso, até o ano de 1992 não existiam testes para verificar a existência do vírus HCV em sangue de doadores. Por esse motivo, qualquer pessoa que recebeu transfusão de hemoderivados antes de 1993 deve ser testada para avaliar se foi contaminada, assim como quem ficou exposto a uma situação de risco no período. É preciso vencer a barreira do preconceito e investir no alerta à sociedade sobre a gravidade desta epidemia.

A hepatite C é uma doença silenciosa que pode demorar até 20 anos para se manifestar. Se não diagnosticada precocemente, ela pode "aparecer" em estágio avançado, evoluindo para uma fibrose, cirrose ou até câncer no fígado. Neste ano em que a doença completa 25 anos desde sua descoberta, a OMS lançou o primeiro guia para manuseio da Hepatite C no mundo. O documento tem como objetivo contribuir ajudar todos os países a melhorar o tratamento e os cuidados com a hepatite e, desta forma, reduzir as mortes por câncer de fígado e cirrose.

Portanto há muito que trabalhar para erradicar esta epidemia, ainda mais se considerarmos o potencial de pacientes não diagnosticados. Embora atualmente os tratamentos disponíveis elevem a Hepatite C ao status de uma das poucas doenças crônicas que podem ser curadas, o Brasil ainda não disponibiliza os tratamentos mais modernos, resultado do excesso de burocracia no registro de novos medicamentos.

Se a publicação das diretrizes da OMS coincide com a disponibilidade de medicamentos orais mais eficazes e seguros, juntamente com a promessa de outros novos medicamentos nos próximos anos, conforme o texto publicado pela própria organização quando do lançamento das diretrizes, no Brasil o excessivo rigor e a demora para aprovação destas terapias estão diretamente relacionados ao custo dos novos medicamentos, considerados caros.

Mas afinal, quanto vale a cura da hepatite C? O custo do tratamento da doença não deve ser medido pelo preço do medicamento, mas sim pelo gasto elevado com o tratamento de um paciente que fica mais tempo nos hospitais e consultórios médicos para tratar comorbidades decorrentes da doença. Em geral, quando se opta por soluções medicamentosas priorizando o preço em detrimento da eficiência, o valor acaba saindo mais alto para a sociedade. Isso porque, no médio prazo, o gasto com pacientes que sofrem com os efeitos colaterais agressivos de muitas dessas drogas que já poderiam ser substituídas ultrapassa o valor do investimento de substâncias mais modernas.

É importante lembrar que o tratamento da hepatite C é finito, podendo atingir a cura em muitos casos. Por isso a importância de, além de investir na modernização e diversificação de drogas que combatam a doença, viabilizar o diagnóstico precoce.

O futuro do tratamento da Hepatite C no mundo caminha para uma forma muito simples, via medicamento oral, mas essa realidade ainda vai demorar mais alguns anos para chegar ao Brasil. Isso não significa ficar parado. Temos a obrigação de investir no diagnóstico e tratamento precoce da enfermidade, ao mesmo tempo em que se desburocratiza o registro para diversificação de medicamentos no país. Neste 28 de julho, data em que é comemorado o Dia Mundial do Combate às Hepatites Virais, instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS), temos a obrigação de debater o tema e nos conscientizarmos do potencial que temos para sermos, no combate à Hepatite C, o modelo que fomos para o mundo na luta contra a AIDS.

*Carlos Norberto Varaldo é economista, presidente do Grupo Otimismo de Apoio a Portadores de Hepatite C, autor do livro "Convivendo com a hepatite C, experiências e informações de um portador do vírus", entre outros.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com


IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.
Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.
Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação medica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte: WWW.HEPATO.COM
O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO