Mesa Redonda – Hepatite B – Hepato Pernambuco 2018

795

Voltar

Antes de relatar o tema apresentado na mesa coloco inicialmente meu pensamento pessoal, pois sou crítico em relação ao enfrentamento da hepatite B no Brasil. Em congressos internacionais quando falamos sobre a hepatite C enchemos o peito de orgulho, pois estamos enfrentando a epidemia com competência e com um dos melhores programas do mundo, mas se alguém pergunta como estamos em relação a hepatite B, desconversamos, damos meia volta e fugimos da sala, pois é uma vergonha que somente 28.000 infectados estejam recebendo tratamento quando a estimativa de infectados é de quase 1 milhão.

O número de infectados com hepatite C no Brasil é quase igual ao número de infectados com HIV / AIDS, mas enquanto na AIDS 570.000 estão em tratamento, é vergonhoso que na hepatite B somente 28.000 estejam em tratamento.

O Departamento IST/AIDS/Hepatites Virais do Ministério da Saúde deve tomar providencias urgentes na hepatite B e não olhar somente para AIDS e hepatite C.

Vamos então ao apresentado na Mesa Redonda de hepatite B no Hepato Pernambuco 2018

Tópicos para lembrar:

– Os números mostram a gravidade da hepatite B. Até 3% dos infectados desenvolvem câncer, até 38% desenvolvem cirrose e desses 15% descompensam a cirrose e 70% deles morrem se não conseguem um transplante de fígado.

– Pior ainda é que a maior parte dos infectados com hepatite B ainda não sabem que estão doentes com uma doença crônica que lentamente é em silencio está prejudicando o fígado.

– A hepatite B é transmitida sexualmente com uma facilidade até 100 vezes maior que a AIDS.

– É necessário vacinar toda a população como única forma de erradicar a doença no futuro.

– O diagnóstico é complicado e muitos médicos não especialistas não sabem interpretar os resultados.  É comum que um médico não especializado veja um resultado anti-HBs positivo e ache que o paciente está infectado com hepatite B.

– O tratamento e o controle do infectado é diferente em cada fase da doença (fase imunotolerante; fase imune ativa; em portador inativo, em infectado com reativação e o acompanhamento naqueles com resolução), portanto é uma doença a ser tratada por infectologistas ou hepatologistas especializados.

– O tratamento pode ser feito com interferon peguilado ou com três medicamentos orais que são efetivos.

– O tratamento com interferon peguilado tem a vantagem de ser um tratamento com duração finita, de 1 ano de duração.

– O interferon peguilado apresenta uma taxa de cura funcional de 10% e consegue a seroconversão de até 30% no anti-HBe.

– Nos medicamentos orais temos o entecavir, o tenofovir e o TAF (Tenofovir Alafenamide), todos eles com eficácia semelhante, mas com perfis de segurança diferentes.

– TAF (Tenofovir Alafenamide) é uma evolução do tenofovir, não causando problemas renais ou ósseos. Já se encontra na ANVISA para registro no Brasil.

– O consenso de tratamento da China recomenda a utilização do interferon peguilado junto, ou sequencial, com um dos medicamentos orais.

– A hepatite B é uma doença dinâmica de longa duração (crônica) e o tratamento com drogas orais procura diminuir ou reverter a progressão da fibrose e reduzir o risco de câncer de fígado.

– A perda do HBsAg, é um dos objetivos do tratamento, é raro de acontecer, de mais ou menos 1% ao ano, sendo mais provável de acontecer quando o tratamento é realizado com interferon peguilado.

– Os objetivos do tratamento têm quatro metas:

Objetivo primário: Supressão sustentada da carga viral;

Objetivo secundário: Perda do HBsAg com provável soroconversão anti-HBe;

Objetivo adicional: Normalização da transaminase ALT e resposta bioquímica e,

Objetivo desejado: Perda do HBsAg e de preferência com soroconversão para anti-HBs.

– Toda mulher gravida deve ser vacinada. A vacina é segura durante a gravidez.

– Mulheres diagnosticadas com hepatite B no pré-natal devem realizar testes de transaminases ALT e de carga viral HBV-DNA.

– Recém-nascidos de mães infectadas com hepatite B devem receber imunoglobulina e a primeira dose da vacina da hepatite B nas primeiras 12 horas após o parto.

– Mais de 95% das pessoas que se infectam na idade adulta curam de forma espontânea e não necessitam tratamento.

– Infectados com hepatite com cirrose descompensada devem iniciar imediatamente o tratamento e serem encaminhados para uma equipe de transplante de fígado.

Esta mesa foi moderada pela Dra. Renata Cruvinel(SP) e pela Dra. TatianaTabatchnik (PE) – Temas da mesa redonda e expositores:

Quem e quando tratar?  –   Dra. Deborah Crespo (PA) – Ainda existe espaço para os IFNs?  –   Dra. Rosangela Teixeira (MG) – Segurança e eficácia ao longo prazo dos NUCs   –  Dra. Cirley Lobato (AC) – Parar ou não parar as terapias com NUCs? – Dr. Abid Suddle (UK) – Novas terapias anti HBV    –  Dr. Richard Sterling (USA)

NOTA: O Hepato Pernambuco é um Workshop. A diferença entre um Workshop e um congresso e que num Workshop são formadas mesas de especialistas para discutir um tema. Primeiro cada um faz uma apresentação e depois discutem entre todos e com a participação da plateia.

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com

IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.

Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.

Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação médica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte:
WWW.HEPATO.COM

O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA – ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO

Compartilhar