Impacto da cura da hepatite C nas manifestações da doença não hepática

319

Voltar

É bem conhecido que a infecção pela hepatite C está associada a um maior risco de resistência à insulina e, eventualmente, diabetes.

Estudos com o tratamento com interferon produziram resultados diversos, alguns mostrando que o tratamento com sucesso da hepatite C reduziu o risco de diabetes.

O tratamento com os medicamentos de ação direta (orais livres de interferon) são considerados metabolicamente neutros e os primeiros relatos mostraram uma melhora no controle glicêmico do diabetes tipo 2 após tratamento bem-sucedido da hepatite C.

Pesquisadores verificaram o efeito de diferentes tratamentos da hepatite C no risco e incidência de diabetes entre mais de 52.000 veteranos de guerra dos Estados Unidos, usando dados da Coorte de Veteranos Infectados com hepatite C (ERCHIVES).

A análise incluiu 4.764 pacientes com hepatite C crônica tratados com interferon peguilado + ribavirina e 21.279 tratados com medicamentos de ação direta (orais livres de interferon), juntamente com o mesmo número de indivíduos de controle não tratados correspondentes. uma coorte nacional longitudinal de veteranos com hepatite.

Cerca de 20% tinham fibrose avançada ou cirrose de acordo com o índice não invasivo de FIB-4. Entre os pacientes tratados, 79% resultaram curados.

Durante o período de acompanhamento, 1.679 veteranos não tratados, 633 daqueles tratados com interferon peguilado / ribavirina e 255 daqueles tratados com os medicamentos de ação direta (orais livres de interferon)  foram diagnosticados com diabetes. As taxas de incidência de diabetes correspondentes foram 20,6, 19,8 e 9,89, respectivamente, por 1.000 pessoas-ano.

O tratamento da hepatite C foi associado a uma redução maior na incidência de diabetes, particularmente entre pessoas com estágios mais avançados de fibrose ou cirrose. Enquanto a incidência de diabetes não diferiu significativamente entre pacientes não tratados e tratados com interferon, foram substancialmente menores entre aqueles tratados com os medicamentos de ação direta (orais livres de interferon). As pessoas que obtiveram a cura usando qualquer tipo de tratamento tiveram menor probabilidade de desenvolver diabetes (13,3 pessoas-ano) do que aquelas sem sucesso com o tratamento (19,2 por 1.000 pessoas-ano).

Os medicamentos de ação direta (orais livres de interferon) reduziram o risco de diabetes em 52%.

Em resumo, o tratamento com os medicamentos de ação direta (orais livres de interferon) diminuiu pela metade o risco de diabetes incidente, mas o tratamento com interferon peguilado + ribavirina não teve impacto significativo no risco de diabetes.

Os pesquisadores concluíram que o tratamento da hepatite C com utilizando os medicamentos de ação direta (orais livres de interferon) confere benefícios além do controle virológico e pode ser útil no controle ou na mitigação de algumas das complicações extra-hepáticas da hepatite C.

Fonte: INCIDENT DIABETES AND GLUCOSE CONTROL AFTER HCV TREATMENT WITH DAAS IN ERCHIVES – Conference on Retroviruses and Opportunistic Infec tions – CROI 2019 – March 4-7, 2019 – Adeel A. Butt, MD, MS; Samia Aslam, BS; Peng Yan, MS; ObaidS. Shaikh, MD; Abdul-Badi Abou-Samra, MD, PhD.  

 

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com

IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.

Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.

Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação médica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte:
WWW.HEPATO.COM

O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA – ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO

 

 

Compartilhar