Infectados com hepatite C, curados ou não, poderão ser doadores de órgãos

687

Voltar

Estudo publicado no “The Lancet Gastroenterology & Hepatology” relata o caso de 25 pacientes que receberam transplantes de coração de doadores com hepatite C (anti-hcv positivo), sendo que 20 deles se encontravam com infecção ativa da hepatite C (carga viral positiva).

Os cinco transplantados que receberam corações dos doadores que eram anti-hcv positivos (sem carga viral) não foram infectados pela hepatite C e, portanto, não foi necessário realizar tratamento após o transplante.

Os 20 transplantado que receberam corações de infectados com hepatite C (com anti-hcv positivo e carga viral positiva), foram tratados com tratamento preventivo antes da realização do transplante com medicamentos orais usando uma combinação de glecaprevir e pibrentasvir (Maviret®) iniciada no pré-operatório e continuando por 8 semanas após a cirurgia.

A obtenção de resposta virológica sustentada 12 semanas após a conclusão da terapia com glecaprevir-pibrentasvir (RVS12) considerada a cura da hepatite C serviu como desfecho primário. Os pesquisadores acompanharam os pacientes após o transplante até um ano após o procedimento, confirmando a cura de hepatite C em todos os transplantados.

Os autores alertaram, no entanto, que embora os transplantes de órgãos positivos para hepatite C possam reduzir o tempo de espera pelo transplante e a mortalidade associada à lista de espera, eles também podem aumentar as complicações relacionadas à infecção do novo órgão se o acesso oportuno ao tratamento eficaz não estiver disponível.

MEU COMENTÁRIO

É excelente notícia para todos aqueles que por estarem infectados, ou curados, da hepatite C e desejam serem doadores de órgãos não podiam ser solidários devido a que em algum momento terem se infectado com hepatite C e, curados, ou não, são excluídos.

Em curto prazo naqueles países que dispõem de medicamentos de última geração poderão aprovar a aceitação de órgãos de infectados com hepatite C, salvando vidas que hoje por falta de órgãos disponíveis muitos morrem na fila de espera por um transplante.

Todos os candidatos a receber um transplante devem ser devidamente informados das possíveis consequências e devem assinar um termo de consentimento para poder receber o órgão.

Assim que isso for aprovado eu serei um dos primeiros a me declarar doador de órgãos, espero com esse gesto salvar algumas vidas.

Fonte: Pre-emptive pangenotypic direct acting antiviral therapy in donor HCV-positive to recipient HCV-negative heart transplantation: an open-label study – Emily D Bethea, MD, Kerry Gaj, CNP, Jenna L Gustafson, MS, Andrea Axtell, MD, Taylor Lebeis, MD, Mark Schoenike, BS, et al. – Published:July 25, 2019DOI:https://doi.org/10.1016/S2468-1253(19)30240-7

Carlos Varaldo
www.hepato.com
hepato@hepato.com

IMPORTANTE: Os artigos se encontram em ordem cronológica. O avanço do conhecimento nas pesquisas pode tornar obsoleta qualquer colocação em poucos meses. Encontrando colocações diversas que possam ser consideradas controversas sempre considerar a informação mais atual, com data de publicação mais recente.

Carlos Varaldo e o Grupo Otimismo declaram não possuir conflitos de interesse com eventuais patrocinadores das diversas atividades.

Aviso legal: As informações deste texto são meramente informativas e não podem ser consideradas nem utilizadas como indicação médica.
É permitida a utilização das informações contidas nesta mensagem desde que citada a fonte:
WWW.HEPATO.COM

O Grupo Otimismo é afiliado da AIGA – ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO

Compartilhar